quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Filmes


Adaptação do romance de Mary Shelley, o filme lançou Boris Karloff para o estrelato.

Um louco cientista constrói um monstro a partir de diversas partes de cadáveres humanos. Porém, para o cérebro, ao invés de utilizar um normal, o de um perigoso criminoso é utilizado. Um raio dá vida ao monstro, o que indica que o horror está apenas começando...









Frankenstein


Frankenstein : or the Modern Prometheus

Mais conhecido por Frankenstein, é um romance de  terror gótico com inspirações do movimento romântico, de autoria de Mary Shelley , escritora britânica nascida em Londres.

O romance relata a história de Victor Frankenstein, um estudante de ciências naturais que constrói um monstro em seu laboratório. Mary Shelley escreveu a história quando tinha apenas 19 anos, entre 1816 e 1817,  a obra foi primeiramente publicada em1818, sem crédito para a autora na primeira edição já terceira edição do livro, publicada em1931, é a definitiva.

O romance obteve grande sucesso e gerou um novo gênero de horror, tendo grande influência na literatura e cultura popular ocidental.

Victor Frankenstein recebe uma carta de seu pai relatando o assassinato de William, o seu irmão mais novo, e pedindo a sua volta. Ao chegar em Genebra, é informado que Justine, uma criada muito querida da casa dos Frankenstein, é acusada do crime, sendo encontrada com ela a jóia que o menino levava antes de desaparecer, e que não estava junto ao cadáver. Mesmo assim Victor está convencido de que Justine é inocente, e o verdadeiro culpado é a sua criatura. Porém as evidências contra ela são fortes e Justine é condenada a morte e executada pelo crime. Frankenstein passa a se sentir culpado por ter criado o monstro, e o segredo e a culpa passaram a lhe torturar.

Lutando contra o desespero, o doutor Frankenstein resolve escalar o Monte Branco. Durante a subida, é encontrado por sua criatura, que é surpreendentemente articulada e eloqüente. O monstro conta sua história, narrando como fugiu do laboratório de Frankenstein para uma floresta próxima, onde aprendeu a comer frutas e vegetais, e a usar o fogo. Porém, ao encontrar seres humanos era sempre escorraçado e agredido, então eventualmente esconde-se no depósito de lenha anexo a uma cabana. Lá, observa através de frestas na parede a vida de uma família pobre de ex-nobres, afeiçoando-se a eles e ajudando-os em segredo. A família consistia de um pai cego e um casal de irmãos. Aprende a língua e a escrita espionando as aulas que davam à noiva árabe do irmão, e encontra livros onde aprende sobre a vida e a virtude. Após longo tempo toma coragem para se apresentar a família, e consegue conversar com o pai cego, mas quando os filhos chegam e o vêem junto ao pai também escorraçam o monstro, e fogem para sempre da cabana. 

A criatura torna-se amargurada e resolve procurar seu criador, cujo diário descobrira no bolso do casaco que levou do laboratório na noite da fuga. Durante a travessia é sempre agredido pelos humanos.

Ao chegar em Genebra encontra o irmão mais novo de Victor, William, e assassina-o, incriminando depois Justine. Ao terminar sua história, o monstro exige a promessa de que Frankenstein construa uma fêmea para ele, prometendo por sua vez deixar a humanidade em paz e ir viver com a sua noiva nas selvas sul-americanas. Caso o cientista se recusasse, o monstro promete fazê-lo passar por tormentos inimagináveis. 

Extremamente contrariado, Frankenstein concorda, e ao voltar para Genebra torna-se noivo de Elizabeth, partindo para a Inglaterra, a fim de cumprir a sua promessa.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Pin-ups



Marilyn Monroe a mais célebre Pin Up do século 20

Na década de 1940, o termo "pin-up" foi cunhado para se referir a mulheres que eram atraentes e bonitas, o tipo de mulheres que os  homens as gostariam de “pindurar “ em   sua parede.




Pin Up é uma modelo cujas imagens sensuais produzidas em grande escala exercem um forte atrativo na cultura pop. Destinadas à exibição informal, as pin-ups constituem-se num tipo leve de erotismo, mas tambem se pode encontrar outros tipos de Pin Up's que são as mais "comportadas", porém utilizam um pouco do erotismo da Pin Up. Embora elas sejam realmente muito sensuais, temos a mistura do clássico romantismo.





As garotas pin-up eram  “retradas” em  posições sedutoras, ou tímidas, são geralmente seminuas, muitas vezes, mostrando sua mid-drifts, pernas e clivagem.




Às vezes as mulheres eram  “retradas” em situações cômicas e engraçadas, com expressões  bem-humoradas  de suas faces, enquanto outras vezes eram inocentes e doce olhar, com grande olhos e uma expressão de confiança.





É importante notar que a maioria arte pin-up era desenhos e pinturas, em vez de fotografias. Embora houvesse na vida real pin-up de modelos, a maioria era a criação de artistas.





O  movimento Pop Art estava em andamento e mulheres como Marilyn Monroe eram famosos por sua sexualidade.




Marilyn tornou-se um ícone pop, a mulher que melhor representava a sensualidade e inocência necessária para uma pin-up na década de 50.

























segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Demented Are Go


Eles tem sido reverenciados na  Europa como uma das melhores bandas do underground, com uma mistura pós-moderna de estilos que encapsula tudo, mesmo com as restrições do psychobilly, o Demented Are Go reinventou o gênero com uma pegada mais brutal e intransigente, um testamento para tudo que o Rock'n'Roll doentio tem para oferecer, o equivalente sonoro de um filme de splatter anos  70, de  Rock 'n' Roll’ 50, de garagem ’60  e acabando em algum lugar no punk rock.

Criaram uma nova faceta ao psychobilly, influenciando praticamente todas as bandas que vieram posteriormente.

O Demented Are Go foi formado em 1982, na capital galesa Cardiff, que fica no sul do País de Gales.

A banda era desorganizada e sua formação contava com Sparky na bateria, Ant Thomas no vocal, um baixista e um guitarrista sem expressões.

Dick, um veterano do punk e dos circuitos de bares da cidade, se juntou à banda no começo de 1983, reformulando a formação, fazendo com que Ant passasse para a bateria e Sparky para os vocais. Dick os deixou em 1987 depois de continua frustração com a direção que a banda estava tomando.

Depois de seis semanas ensaiando exaustivamente, aconteceu o primeiro show da banda, no Sea Lion, na cidade de Penarth e o DAG conseguiu de cara boa aceitação. Era uma banda diferenciada das demais que tocaram no mesmo dia, que eram anarquistas.
 
Ficaram um período tocando em clubes da região e prostíbulos em Hamburgo, até que foram parar no templo do Psychobilly na época, o lendário Klub Foot.

Foram convidados a gravar duas músicas para seu primeiro lançamento em uma compilação de 1984, “Hell Bent On Rockin’”, pela Nervous Records.

Dois anos depois, lançaram seu primeiro álbum, “In Sickness & In Health”, pela ID Records, o qual foi gravado em menos de 24hrs com 90% das primeiras tomadas, com Ray Thompson no baixo.

No mesmo ano, se mudaram para Londres, numa tentativa de se aproximar de algo como um trabalho fixo.
O segundo disco da banda, “Kicked Out Of Hell”, de 1988. Prontamente iniciaram uma intensa turnê pela Europa, ganhando tanto fãs psychobilly quanto punks. 

A essa altura, Sparky havia começado a se viciar em drogas e álcool, resultando em diversas mudanças de formação da banda.
Em 1989 a banda voltou ao estúdio e começaram a escrever e gravar um EP pela Link Records, “The Day The Earth Spat Blood”, tudo dentro do prazo de 3 dias. 

A banda viajou em turnê outra vez pela Europa em 1991, e ao mesmo tempo seguiram escrevendo e gravando seu próximo álbum pela Fury Records, “Orgasmic Nightmare”, na estrada.

Continuaram tocando nos mais diversos locais e festivais da Europa. Um segundo álbum pela Fury Records, “Tangenital Madness”, foi gravado em 1993, seguido por duas turnês pelo Japão.

O DAG voltou em 1996 com uma mudança na formação para lançar o EP “I Wanna See You Bleed!”, pela Hell Razor Records.

Tocaram no costa oeste dos EUA em 1997, se tornaram conhecidos pelas performances selvagens no palco, que incluía simulação de sexo com aspirador de pó.

Em 99, veio mais um full lenght “Hellucifernation” foi lançado pelo selo Crazy Love.

Em 2005 lançam o  “Hellbilly Storm”, por  um selo alemão, People Like You Records.

Lançaram uma ediçõa limitada do single "Hot Rod Vampires" pela mesma gravadora.
     
Em maio de 2006 o Demented Are Go foi o headliner do festival “Jungle Nightmare”, realizado no Hangar 110, em São Paulo.



 

domingo, 13 de novembro de 2011

Diabólica+Diabatz


Diabólica anuncia apoio à banda curitibana Diabatz.


Junto com o malte, o lúpulo, a água e a levedura, a Cerveja Diabólica tem um ingrediente muito especial na sua receita: a música. 
 
Por isso oferece suporte à cena cultural, apoiando eventos e artistas de destaque.

A primeira banda patrocinada pela Diabólica é a Diabatz. 

Com 5 anos de estrada, as curitibanas já possuem 2 tours européias no currículo e um álbum lançado por uma gravadora da terra das cervejas, a belga Drunkabilly.

Com grande sucesso no Brasil e no exterior, a Diabatz conta com total apoio da Diabólica para a gravação do seu novo EP. 
O disco será lançado antes da participação das meninas no Psycho Carnival, outro evento onde a 6,66% vai marcar presença.

Através desta iniciativa, a Diabólica espera contribuir para que a Diabatz faça ainda mais sucesso.

De preferência, com um pint bem gelado da nossa Índia Pale Ale.


Rat Rod

Rat Rod é um estilo, o termo tem sido usado para descrever quase todo o veículo que aparece inacabada ou é construído simplesmente para ser conduzido.
Como acontece com muitos termos culturais, há controvérsias sobre a origem do "Rat Rod". 

Alguns dizem que apareceu pela primeira vez em um artigo escrito na revista Hot Rod por Gray Baskerville sobre carros que ainda ostentava uma camada de primer edição de dezembro de 1972

Embora o termo provavelmente começou como depreciativo ou pejorativo (e ainda é usado desta forma por muitos),mas os membros das subculturas que constroem esses carros para os desfrutar adotaram o termo de forma positiva.

Não deve ser confundido com o Hot Rod tradicional, que é uma restauração precisa, re-criação ou período correto de um Hot Rod da mesma época.

Originalmente o Rat é uma reação contrária ao alto preço de se "costumizar" o tradicional Hot Rod, com apenas o essencial para ser conduzido, chassis de carros velhos, pintura original em fase de renovação ou enferrujado, muitas vezes têm seus pára-lamas, capôs, estribos e pára-choques removidos.

Os corpos são frequentemente canalizados ao longo do quadro ou seccionada,  os tetos são cortados para um perfil mais baixo, depois do pós-guerra os veículos raramente são construídos sem pára-lamas e muitas vezes são personalizadas na forma de Kustoms, leadsleds e lowriders. 
Cruzes de Malta, crânios e outros acessórios são muitas vezes adicionados, grades, lanternas traseiras  e de outras partes do corpo são trocados entre diversas marcas e modelos.

A maioria, se não todos, o trabalho e engenharia é feita pelo proprietário do veículo.
Não precisam de funilarias de alta qualificação, nenhum excelente pintor, os Rat’s são destinadas a ser conduzido, não mostrado em desfiles.

Ao contrário de um Hot Rod, que passa muito tempo em uma funilaria e pintura, maravilhoso estofado, chama de fogo, cromados, belas rodas, escapamentos e tudo parecendo um "brinco".
As culturas biker, greaser, rockabilly e punk são frequentemente creditado como influências para os Rat’s em forma rodding, matém vivo o estilo.